domingo, 18 de novembro de 2018

30 | La Fiesta!

Festejar um aniversário é sempre bom. Ou eu, pelo menos, não me posso queixar porque as pessoas continuam a fazer esforços para estarem sempre presentes nesta data. Seja para me dar um abraço seja para me ajudarem a soprar as velas!

 Bolo mais lindo!


Fui muito feliz, definitivamente, na minha festa de aniversário. Ela vai servir de lembrete, durante uns bons tempos, para recordar de que a vida vale a pena e de que eu tenho as melhores pessoas comigo. As que me aceitam e que gostam de mim genuinamente. Obrigada a toda a gente que também perdeu um tempinho a felicitar-me aqui no blogue. E daqui para a frente é uma trintona que vos escreve aqui deste lado ahahah!

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

E será que tudo o que era suposto realizar antes dos 30 eu o fiz?

Para quem não sabe, a meio de outubro mudei de emprego. A mesma empresa, mas num lugar diferente, numa função diferente, num ambiente diferente. A minha vida pessoal também mudou. Portanto nos últimos meses, como referi no post anterior, esqueçam lá as motas, eu agora só ando de montanha-russa!

E finalmente tive direito a uns diazinhos de férias que antecedem o meu aniversário - que por sua vez é já amanhã. My God, não sei como o tempo passou assim mas amanhã chego aos 30. E chego aos 30 miseravelmente no limbo. De tanto cansaço físico e de tanto cansaço emocional acumulado dos últimos meses. Mas como a vida não é só feita dos últimos meses, decidi dar uma chance a mim própria (porque às vezes não posso fazer só pelos outros) e avaliar os últimos anos da minha vida, de forma a encontrar algo que possa estar grata.

E não é que nessa análise encontrei montes de coisas? Como seria de esperar, porque se em 30 anos não me tivessem acontecido coisas boas, muito miserável seria eu. E isso é coisa que não sou. Eu sou genuinamente uma rapariga que gosta de andar feliz e que por sua vez encontra felicidade em pequenas coisas. Sou uma rapariga que gosta de rir muito e que ri por tudo e por nada e a minha tarefa não está concluída se as pessoas que estão à minha volta não estão a rir igualmente.

Sou muito filha do meu signo e como tal, da mesma forma como vivo intensamente o lado bom da vida, também vivo com a mesma intensidade o lado menos bom. E não há volta a dar a este assunto; com o tempo melhorei e hei-de continuar a melhorar e a relativizar cada vez mais mas sei que é algo muito característico em mim. E já digo ok. Eu aceito. Vou chegar aos 30 a dizer mais vezes "ok, eu aceito-me assim" do que "não, eu quero mudar!".


Nestes 29 anos (deixem-me dizê-lo ainda assim que hoje ainda estou na casa dos 20!) vivi muitas aventuras, fiz muita coisa e quase que não me arrependo de nada. Quase. Mas não fiz nada daquelas coisas que se vêm nas listas da moda "O que fazer antes dos 30". Népia, nunca viajei sozinha. Nem nada dessas coisas. Eu vivi a minha vida sem uma lista condutora, fazendo aquilo que queria, se assim o conseguisse fazer, se assim me fosse permitido concretizar. Mas será que fiz tudo o que era suposto realizar antes dos 30? Não faço a mais pequena ideia. Porque não sei o que é suposto fazer antes dos 30... sei que vimos ao mundo para viver, da melhor forma que conseguirmos. E é isso que eu tenho estado a fazer e é isso que eu vou continuar a fazer por mais 30, 40 anos ou o que for. 

Agradeço a todos os santinhos a educação que me foi dada (respeitar idades, cores, géneros, hierarquias. honrar a nossa palavra e o nosso compromisso. dar o peito às balas. sentido de cidadania. companheirismo e espirito de equipa [somos três irmãs, ok?]. espirito de sacrifico. e por último mas não menos importante. educação e amor ao próximo.). Sem ela, não tinha conseguido construir a pessoa que sou hoje nem teria bases para continuar a melhorar amanhã. Agradeço às pessoas que estão na minha vida, pelo afeto e amizade para comigo. E agradeço o facto de estar viva e acima de tudo, de querer viver.

domingo, 11 de novembro de 2018

"Tem a certeza que quer eliminar este blogue?" - e eu disse que sim!

Este ano não está a ser um ano fácil para o blogue (o que se traduz para mim) e como tem sido uma montanha-russa estes últimos meses, o blogue fica sempre largado nas curvas mais apertadas. Antes tinha imenso tempo para me dedicar ao blogue. Neste momento trabalho mais horas e mais longe e acabo por estar fora de casa cerca de 13, 14 horas e o blogue fica no fim da lista de tudo o que tenho e preciso de fazer. 


Portanto, estando o blogue parado, estando eu tão cansada e sem inspiração, carreguei no botão "eliminar o blogue". E de seguida "tem a certeza que quer eliminar este blogue?". Eu carreguei e ficou desativo. E fechei a tampa do portátil e segui. Só nunca pensei que tantas pessoas se apercebessem disto. Nunca pensei que as pessoas ainda cá viessem à procura de novos posts, de novas partilhas, novas opiniões.

E hoje, estando eu num dia particularmente menos bom (e é ok estarmos assim), lembrei-me de abrir a tampa do portátil, reativar o blogue e escrever-vos isto. Não vou ter o tempo que queria e que já tive para dedicar-me ao blogue mas o blogue sempre foi o meu refúgio e pelos vistos, a distração e interesse de várias pessoas. Se eu conseguir chegar a uma simples pessoa, isso já vale a pena não é? Se eu conseguir que as minhas palavras façam sentido e diferença para quem as lê, independentemente da quantidade de vezes que eu possa escrever, já vale a pena, não é?

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

TAG | Completa A Frase!

Well, já há algum tempo que não trazia um TAG ao estaminé e depois de me cruzar com este no blogue da Andreia Moita, decidi dar-vos a conhecer um bocadinho de mim - que acho que é para isso que servem as TAGs!

Completa a frase…

Sou muito… intensa. Gosto e não gosto quase na mesma medida!

Não suporto… favas e ouvir benfiquistas a falar.

Eu nunca… fiz pratos elaborados na cozinha.

Eu já… fiquei sem carta de condução.

Quando era criança… queria ser policia! Ou veterinária!

Neste exato momento… está-me a dar uma fomeca que nem vos passa…!

Eu morro de medo de… morrer. De ter um acidente. De que me doa. De sei lá…

Eu sempre gostei… de rir. Genuinamente, rir e rir, com a leveza e desmedida que uma gargalhada deve ter.

Se eu pudesse… tinha mais uns quantos Bull Terriers pela casa. Mas precisava MESMO de ter ganho primeiro o Euro Milhões! xD


Fico feliz… quando o meu coração está calmo. Quando a vida está calma. Quando as pequenas coisas fazem o meu dia.

Se pudesse voltar no tempo… mudava algumas coisas mas o exercido que tenho feito é exatamente o contrário: não dá para voltar no tempo por isso, vamos lá focar-nos no que pode ser mudado no presente! 

Adoro… ler na praia. Andar de mota (contradiz um bocado a alínea 7 mas eu sou assim). Mousse de chocolate. Harry Potter!



Eu preciso de… mudar de carro mas falta-me coragem e essencialmente, dinheiro!

Não gosto de ir… a sítios por frete. Então já nem o faço. Continuo a ser uma pessoa muito politicamente correta mas há cenas que a idade já não permite.

Malta, sintam-se à vontade de roubar esta TAG (que foi exatamente o que eu fiz :p) e avisem-me para eu espreitar as vossas respostas!

sábado, 20 de outubro de 2018

Cristina Ferreira | Haverá Alguma Coisa Onde Ela Não Ponha O Dedo?

Se houver, digam-me, porque a esta altura do campeonato, sinto-me extremamente confusa porque para onde quer que me vire [e isto não é de agora, atenção] há o nome Cristina Ferreira. Em qualquer lado, até no telejornal há umas semanas atrás, por exemplo. Se-nhores! Se alguém me pedir para descrever o que é ser empreendedor, esta palavra tão ambicionada nos tempos que correm, eu vou ter que falar de um nome: Cristina Ferreira. 

Eu não sou a maior fã dela; nunca me senti ligada à personagem que ela veste na apresentação dos seus programas, nomeadamente ao lado do Goucha - vamos ver o que aí vem na SIC. Nunca me senti fascinada em ir correr para as bancas comprar a revista Cristina (se bem que a última edição sobre violência doméstica fez-me repensar na questão). Nunca me senti deslumbrada com o "peixe que ela vende". Mas sigo-a no Instagram, vejo o que ela faz e se há coisa que realmente faz, independentemente de eu apreciar ou não, é trabalhar. 

É programas de televisão, é revistas, é blogues, é publicidades, é - vejam bem - moda, calçado, vernizes… E tanto luta em todas as frentes de negócio, que ontem lá foi parar ao Portugal Fashion. 


Se isto não é ser empreendedor, então eu não sei o que é. Se isto não é saber ser empresário, também não sei o que poderá ser. Se isto não é saber aproveitar a sorte (e leia-se sorte não só no contexto literal da palavra) não sei o que será. Há Cristina Ferreira em todo o santo lado, há. Mas ela, (parece-me a mim que nada percebo desta vida de negócios) é quem se desunha para o conseguir [calma que eu sei que existe tooooooda uma equipa por trás, i know, i know]. Não tem medo; avança para onde consegue remar, sem medos de tempestades de água ou areia e ainda assim, entre os pingos da chuva (ou não) faz e tem o sucesso que tem. E há que o reconhecer.

#WomenSupportingWomen

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Um Ano De Vasquinho!

Há um ano atrás, estava eu em Londres. Descansada que o meu sobrinho ia esperar eu vir de férias para nascer. Mas não esperou e eu senti um coração a transbordar ainda mais. Tinha nascido o meu segundo sobrinho, Vasco - Vasquinho, como é mais comum chamarmos-lhe. 


É dono de um sorriso quase sempre presente naquela cara gorducha, ri-se por tudo e de tudo e é do mais simpático que há. É bem robusto: alto e encorpado, gordinho que se desunha porque come tudo o que lhe derem. É um safado para dormir - para não lhe chamar coisas piores - e morre de medo do Kazaar. Mas sabem aquilo que o Vasquinho é mesmo? Feliz. E que seja assim sempre! Feliz aniversário minha pequena mini ruindade! 💗