quinta-feira, 23 de março de 2017

30# Tragam as pipocas, hoje é dia de cinema!






Não fui ao cinema na quinta-feira que estreou mas fui passado quatro dias, na minha folga. Muito li sobre esta nova versão de "A Bela e o Monstro" e devo de dizer que a maioria do que me passou pelos olhos não foi positivo e por muito que fosse de mente aberta, fui também com a pulga atrás da orelha. E no fundo, porquê?  

Esta é uma versão muito fiel do filme animado e se isso já se sabia porque insistem em comentar que não existe o fator surpresa? Ou que há demasiada ficção... Como iriam pôr uma chávena de chá a falar, se não fosse ficção? Não vale a pena sermos tão cruéis para o filme onde a estrela é sem dúvida Emma Watson mas aqui já tenho de concordar um pouco com o que se diz. Falta-lhe algum brilho e entusiasmo, coisa que não faltou na edição e produção deste filme que, por essas razões se torna tão belo.

Sinopse da história, quem precisa? Diria que ninguém, até porque a sala de cinema estava cheia e metade de nós já sabia para o que iria: um musical da Disney com pessoas de carne e osso, sobre uma rapariga que fica prisioneira de um monstro que irá aprender a amar. Eu pessoalmente só não sabia que iria sair de lá tão enfeitiçada pelas músicas, pelas caracterizações, pelas cores e ritmo e feliz, por ser um retrato fiel ao verdadeiro "A Bela e o Monstro"!

Paris, estamos a chegar!

Este é um post agendado, meus amigos, pois ainda não consigo atualizar o blogue pelos céus da Europa, que é (se Deus quiser) onde me encontro agora - já agora não morri, estou dentro de um avião, sim? 

Paris já está quase sobre os nossos olhos e rezamos para que sejam umas férias maravilhosas, só com boas recordações, boa comida, grandes gargalhadas e muito amor - porque o que faz falta mesmo neste mundo é amor! 
[Já agora adianto que sai à tarde um post sobre o filme "A Bela e o Monstro" que fui ver na segunda-feira, fiquei atentos para saber a minha opinião sobre o filme do momento.]

quarta-feira, 22 de março de 2017

E chegou a vez de Londres de sofrer um ataque terrorista

Sentei-me no sofá toda confortável para escrever o meu post diário, super entusiasmada porque estou quaseeee de férias. Mas é impossível fazer isso quando em todos os canais de noticias (redes sociais, jornais online, etc.) só se fala do atentado em Londres, ao pé do Parlamento. 
Mas este tema já cansa! Este terrorismo já esgota a paciência a uma pessoa; esta necessidade de, seja lá quem for que está por de trás disto tudo, criar medo pela Europa, é inconcebível. Terrível esta sensação de insegurança que se vive por essas capitais fora; esta semana já houve um ataque no aeroporto de Orly, hoje assistimos a este ataque em Westminster... pessoalmente sinto uma impotência e também uma certa ignorância porque, por mais voltas que dê à cabeça, não consigo entender que valores maiores são estes que levam algumas pessoas a fazerem isto. 

Felizmente todos os meus amigos que estão em Londres estão bem e isso já me deixa um bocadinho mais descansada mas ainda assim pensativa, diria até cautelosa mas sem dúvida que o medo que querem instaurar não me irá impedir de viajar nem irão afastar as pessoas de uma Europa que merece tão a pena ser visitada!

terça-feira, 21 de março de 2017

Vícios [porque todos nós os temos]

Estava para aqui a por as noticias em dia nas redes sociais quando vejo mais um artigo sobre o vicio do tabaco. E pensei, caramba, ainda bem que nunca me deu para aquilo; mas a verdade é que se não fumo, tenho outros vícios e igualmente difíceis de combater.

- Telemóvel: claramente um dos meus grandes vícios, não posso estar sem telemóvel, sinto-me mesmo frustrada e se por alguma razão saio de casa e me esqueço dele, fico logo com urticaria;

- Wi-fi: esqueçam lá sítios que digam 'Aqui não há wi-fi, falem uns com os outros', dificilmente me encontrarão num lugar assim porque das primeiras coisas que faço quando entro num estabelecimento é procurar a rede e palavra passe do wi-fi (podem mandar as pedras que quiserem xD);

- Chocolate: mas não é daqueles 70, 80 ou 90% negro. É chocolatinho do bom, Brigadeiro, Chocapic, Mousse de Cocolate, Oreo e todas essas coisas;

- Dedos na boca: antes roía as unhas até mais não, mas já há uns bons anos que faço unhas de gel e gelinho e todas essas coisas estéticas que me impedem de roer as unhas, mas não toda uma pele à volta que as envolve;

- Praia: e biquínis. Não dá para resistir a comprar um (ou dois ou três) biquíni por época balnear nem dá para resistir a um bom dia de praia. Este ano ainda não tive o meu primeiro dia ao sol mas espero que esteja para breve;

- Pão da mãe: a minha mãe tem um forno de lenha e coze pão. Mas pão verdadeiro, do estaladiço, branquinho e que sabe a uma das maravilhas do mundo. Agora como mais pão de sementes mas sempre que ela coze... ah, tenham dó, marcha um pão inteiro só para mim;

- Presunto: e por me fazer crescer água na boca este assunto, vou terminar o meu leque de vícios com esta iguaria que, se pudesse, comeria TODOS mas todos os dias da minha vida, principalmente em parceria com o pão da minha mãe, e se possível enquanto tcheco as redes sociais no telemóvel... ouro sobre azul!

Quais são os vossos maiores vícios? Comida saudável, ginásio, trabalho, café? 
Vale de tudo, chutem que eu quero saber :)

Quem é que já viajou na Transavia?

Bom dia maltinha, que tal essa manhã de terça-feira? O tempo parece estar a querer mudar mas não se consegue decidir (e eu estou sempre naquele impasse de tirar ou não a roupa da corda - por enquanto aguenta-se firme!) e na verdade, esta semana estou mais preocupada com a meteorologia de outro país (muahahahah).

A viagem está aí à porta e eu vou estrear-me a viajar pela companhia low-cost Transavia! Do que já li em vários blogues e plataformas informativas, a Transavia não é tão em conta (a nível de preços dos bilhetes) como uma Ryanair ou EasyJet mas promete um conforto e uma viagem mais tranquila do que nas outras operadoras [e também só podemos levar a mala de mão até 10 quilos e sem qualquer outra mala, incluindo mala de ombro]. Em relação ao preço da viagem, posso dizer que já paguei mais para ir a Paris, por isso e tendo em conta que comprei os bilhetes à duas semanas e meia, não me posso queixar muito porque vou e venho para o aeroporto mais central, Orly e um bilhete não chegou aos 100 euros.

Alguém aí desse lado já viajou pela Transavia? Que tal o vosso feedback? 


domingo, 19 de março de 2017

Nem acredito que falta tão pouco!

Já conto os dias pelos dedos de uma mão! Vai ser tão bom voltar a Paris, vai ser a minha quarta viagem àquela cidade fabulosa e mal posso esperar por me voltar a encantar e apaixonar por cada canto, cada esquina, cada lugar, junto da minha família - e isso e o mais importante de tudo!


sábado, 18 de março de 2017

Sim, é verdade, eu já sofri um grave acidente de mota

Bom dia, dom dia, dorminhocos (ou só me serve a mim a carapuça?), ontem nos meus InstaStory partilhei o que aqui já tinha feito, que tenho uma mota. Não é algo muito comum, no entanto, vê-se cada vez mais raparigas nas estradas e com todo o tipo de motas (desde as aceleras às de maior cilindrada) e isso fascina-me! Foi o meu namorado que me passou o bichinho das motas mas devo confessar que é mais a sensação de liberdade que me atrai e já não tanto a velocidade, até porque com o passar dos anos [por norma] passamos a ser mais conscientes do perigo e da realidade.

Mas já agora, deixem-me partilhar convosco que já sofri um acidente de mota e de sublinhar que foi a velocidade muito baixa, porque se assim não o fosse, provavelmente teria sido mais trágico do que no fundo foi. 
Decorria o verão de 2010 e eu estava trancada em casa, em véspera de começar a ultima época de frequências da faculdade. O meu namorado apareceu lá em casa, só naquela de fazer companhia, de calções e manga cava, na bela CBR 600 vermelha. E eu que precisava só de ir imprimir umas últimas coisinhas, aproveitei a boleia e acrescentei apenas um casaco àquilo que já tinha vestido (uma t-shirt, umas leggins e umas havaianas). Quantas vezes andei com menos roupa de mota, pensei eu, principalmente para ir para a praia...

À vinda, quase a chegar a casa, um carro abrandou num STOP, nós seguimos à confiança e ao mesmo tempo o carro acelera. Não sei se sabem mas as motas têm de circular, obrigatoriamente, com a luz dos médios ligada e mesmo com a luz, mesmo a mota sendo vermelha, mesmo depois de uma buzinadela, a mota chocou contra o carro e nós fomos projetados uns metros para o meio do asfalto.
Foi tudo muito rápido, pouco me lembro, a não ser do impacto nas minhas costelas ao bater nas costas do meu namorado, lembro-me de ver uma cor azul a passar diante dos olhos (o carro era azul, foi quando passamos por cima do carro) e lembro-me de estar no chão e estar descalça.

O meu namorado, apesar de ter sido projetado mais metros, caiu a rebolar e nem um arranhão teve, graças a Deus. Já a minha queda, tinha sido pior e eu não me mexia e estava... eu confesso, eu estava em pânico, porque tinha dores na coluna de morte. Obviamente fui transportada de ambulância para o hospital e depois de mil exames e etc, etc, etc, eu apenas tive um arranhão (vá, um buraco) na mão direita mas por dentro, estava toda negra, os hematomas eram interiores. A recuperação, como devem calcular, foi altamente dolorosa e por isso, nem vale a pena falar mais. 
Neste momento, tenho uma cicatriz em forma de coração na mão (é verdade) e uma hérnia discal devido ao acidente que sofri. E continuo a andar de mota.

E com isto o que quero dizer é que a vida é movida por paixões mas sempre com responsabilidade, gente. Cuidado redobrado na estrada, estado de alerta no máximo, cumprir regras de trânsito, ponham o cinto de segurança, não falem ao telefone e, apesar de ser um veículo instável, tenham atenção às motas (apesar de haver muitos malucos, concordo).

Um bom sábado para todos, com muita paixão e muita consciência!